Digite CPF sem traço e ponto.
Digite CPF sem traço e ponto.
Digite CPF sem traço e ponto.
Digite CPF sem traço e ponto.
NOTÍCIA
Assuntos Tributários - 07/06/2018 20:40 | Atualizado 07/06/2018 09:06

ANFIP e Fenafisco falam à blogueiros e mídias alternativas

ANFIP e Fenafisco falam à blogueiros e mídias alternativas

A Reforma Tributária Solidária foi apresentada, nesta quinta-feira (7/6), a jornalistas, blogueiros e profissionais das mídias alternativas durante coletiva realizada pelo Centro de Estudos Barão de Itararé, em São Paulo. O presidente da ANFIP, Floriano Martins de Sá Neto, e o presidente da Fenafisco, Charles Alcantara, explicaram as bases da proposta, que é coordenada pelo economista e professor da Unicamp Eduardo Fagnani, junto a mais de 40 especialistas e acadêmicos.

Floriano Sá Neto esclareceu que o projeto objetiva corrigir as injustiças do sistema de imposto do Brasil, possibilitando o desenvolvimento econômico e o combate às desigualdades sociais. “Nossa proposta não se trata em tributar mais a classe trabalhadora ou quem já contribui. Não é simplesmente uma reforma tributária, é uma revolução tributária. Está sendo construída junto à vários especialistas, acadêmicos e vamos discuti-la com a sociedade também”, afirmou o presidente da ANFIP.

Ele acredita que, neste ano, nenhuma medida positiva será aprovada pelo Congresso Nacional, mas o debate deve ser levado aos parlamentares e aos candidatos que disputarão as eleições em 2018: “Se a mãe de todas as reformas é a política, podemos dizer que a filha é a reforma tributária, de tão necessária que ela é”.

Por fim, o presidente da ANFIP disse que “precisamos sim dos meios de comunicação, de estar nos estados e disseminar a ideia da Reforma Tributária Solidária”.

Charles Alcantara, presidente da Fenafisco, falou que a proposta pretende enfrentar as desigualdades sociais no país, já que o Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. “A carga tributária brasileira incide 50% da renda no consumo. Nos países da OCE a média é 32%. Nosso modelo tributário comprime o orçamento doméstico, dificulta o consumo das famílias. A tributação, quando pesa no consumo, sacrifica muito as famílias de baixa renda. A tributação na renda chega a ser escandalosa no Brasil”, ressaltou. 

“A arrecadação do Estado aumentaria em 200 milhões se tributasse quem realmente deve ser tributado e aumentando na proporção necessária. Em qualquer país do mundo a carga tributária é do tamanho que o Estado precisa naquele momento. Não existe carga tributária ideal”, explicou Charles Alcantara. E acrescentou: “Nossa premissa é não aumentar a carga tributária, mesmo que isso fosse necessário por um momento para construirmos esse país. O que queremos é ajustar a carga tributária. O que não é possível é continuar como está, quem ganha menos pagando mais e quem ganha mais pagando menos”.

Altamiro Borges, jornalista e presidente do Barão de Itararé, agradeceu a ANFIP e a Fenafisco pela exposição do tema e explicou porque quis levar o debate para os blogueiros e a mídia alternativa: “Talvez são os que mais vão repercutir esse assunto, mais do que a mídia tradicional”.

O vídeo da coletiva está disponível na página da ANFIP no Facebook (@anfip.nacional).

 

Album da notícia