ANFIP debate conjuntura nacional com Auditores dos Tribunais de Contas

122

O vice-presidente de Assuntos Parlamentares da ANFIP, José Avelino da Silva Neto, e o assessor de Estudos Socioeconômicos da Entidade, Vilson Antonio Romero, participaram de videoconferência promovida pelo Sindicato de Auditores Públicos Externos do Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul, nesta terça-feira (14).

Para apresentar e debater os impactos econômicos da pandemia no Brasil foi convidado o professor de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Plínio de Arruda Sampaio Júnior. O especialista apresentou um cenário de grande incerteza em âmbito estrutural e emergencial. “Temos, no mínimo, de 18 meses a dois anos para voltar a ter algum equilíbrio no país. Há uma crise fiscal muito grande, que inclui também a dívida pública com forte vulnerabilidade externa”.

O professor avaliou também que a crise atinge bruscamente o mundo inteiro. “Haverá uma mudança no equilíbrio de poderes e, no caso do Brasil, ficamos a ver navios enquanto a economia mundial não se organizar. Neste contexto, as maiores vítimas são os pobres, os menos qualificados e as mulheres com as consequências de desemprego e fome”, argumentou Plínio Sampaio.

Na avaliação do assessor de Estudos Socioeconômicos da ANFIP, os debates em momento de crise são fundamentais para que os cenários possam ser avaliados com cautela e seriedade. “É fundamental participar dessas iniciativas, como a promovida pelos Auditores dos Tribunais de Conta, que nos permitem perceber a gravidade do momento que vivemos e as dificuldades que continuarão sendo enfrentadas durante bastante tempo como efeito da Covid-19”, pondera Vilson Antonio Romero.

Participaram do evento representantes de diversas outras entidades, entre eles, Amaury Perusso, da Federação Nacional das Entidades dos Servidores dos Tribunais de Contas do Brasil (Fenastc).