ANFIP defende convocação de excedentes do concurso de Auditor da RFB

369

Fortalecer a administração tributária traz importantes benefícios para a sociedade, fortalece a capacidade de fiscalização, de arrecadação e contribui para o equilíbrio das contas públicas. Por estes motivos, a ANFIP defende a convocação de todos os excedentes aprovados no último concurso público para o cargo de Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil (RFB), ocorrido em 2023.

Em apoio às tratativas para a nomeação dos excedentes, os vice-presidentes de Assuntos Fiscais, Crésio Pereira de Freitas, e de Estudos e Assuntos Tributários, Gilberto Pereira, se reuniram com a Comissão dos Aprovados, nesta quarta-feira (4/10), na sede da ANFIP, em Brasília. “É também de nosso interesse que os aprovados sejam chamados, porque o quadro da carreira precisa ser fortalecido e, inclusive, isso pode ajudar o governo a atingir a meta de déficit zero pretendida para o próximo ano”, ressaltou Crésio de Freitas.

Também nesta quarta-feira, a ANFIP tratou do assunto no Ministério da Fazenda. A reunião foi solicitada a fim de reforçar a importância da convocação dos excedentes.

Crésio de Freitas e a deputada federal Érika Kokay (PT/DF), que também esteve presente, lembraram que a economia brasileira está enfrentando desafios para financiar programas sociais e que, com a convocação dos excedentes, a Receita Federal terá um reforço importante em suas fileiras, o que poderia resultar em um aumento significativo na arrecadação de impostos.

A reunião contou ainda com a participação do subsecretário de Gestão Corporativa da RFB (Sucor), Juliano Brito da Justa Neves; do coordenador-geral de Gestão de Pessoa (Cogep), Marcelo Nascimento Araújo; e da chefe da Assessoria Parlamentar do MF, Marília Tagliari.

Na oportunidade, os representantes da RFB afirmaram que a instituição tem interesse em retomar as tratativas para nomeação dos excedentes a partir de janeiro de 2024.

A ANFIP segue apoiando a Comissão dos Aprovados e buscará alternativas para a resolução desta demanda junto ao Congresso Nacional, a fim de que seja garantido espaço orçamentário na LDO 2024.