Confira quem são os Convencionais eleitos para a XXVIII Convenção Nacional da ANFIP

1389

* atualizado em 30/09/2021

O processo eleitoral para escolha dos Convencionais da XXVIII Convenção Nacional Ordinária foi totalmente realizado pela ANFIP, nos dias 24 a 27 de setembro de 2021, de forma exclusivamente eletrônica, não mais necessitando que os associados aguardem o quinto dia útil para abertura e contagem dos votos.

Noventa e sete candidatos tiveram a sua inscrição homologada para ocupar as oitenta e duas vagas estatutariamente rateadas por unidade da Federação.

A votação ocorreu por meio do hotsite https://votoconvencionais.anfip.org.br/, onde 1.319 associados manifestaram seu voto, escolhendo titulares e suplentes distribuídos da seguinte forma:

Acre: João Alves Moreira, dois votos;

Alagoas: Lindenbergue Fernando de Almeida, dois votos;

Amazonas: Thelma Brandão de Aquino da Silva, nove votos; Cleide Almeida Nôvo, nove votos; e dois votos em branco;

Bahia: Oscar Filho, cinquenta e três votos; Maria Bernadete Sampaio Bello, vinte e cinco votos; Maria Dorimar de Almeida Souza, vinte e quatro votos; Creusa Dantas Gama, vinte e três votos; e em branco, cinquenta e três votos;

Ceará: Tereza Liduína Santiago Félix, sessenta e dois votos; Ercilia Leitão Bernardo, sessenta e um voto; Pedro Cadeira de Araújo, cinquenta e dois votos; Francisco Ferreira Maciel, quarenta e quatro votos; e em branco, quarenta e nove votos;

Distrito Federal: Gilberto Pereira, dezesseis votos; Léa Pereira de Mattos, quinze votos; Kátia Viana Coelho de Souza, quatorze votos; Rita Felicetti de Oliveira, treze votos; Marcos Fernandes Marinho, dez votos; e em branco, quarenta e sete votos;

Espírito Santo: Paulo José Vieira da Silva, trinta e três votos; Misma Rosa Suhett, trinta e dois votos; Eucélia Maria; Agrizzi Mergár, trinta e dois votos; Olivina Thereza Mattedi Gobbi, vinte e oito votos; em branco, sete votos; e nulos; quatro votos;

Goiás: Nilo Sérgio de Lima, trinta e um votos; Álvaro Fernandes Filho, trinta votos; Maria Inez Rezende dos Santos Maranhão, vinte e nove votos; Crésio Pereira de Freitas, vinte e sete votos; ficando como suplente em Goiás: Orlei Oliveira Guimarães, vinte e cinco votos; e em branco, vinte e dois votos;

Maranhão: Maria Moraes dos Santos, quinze votos; Cícero Viana de Souza, quatorze votos; e em branco, sete votos;

Minas Gerais: Ilva Maria Franca Lauria, cento e cinquenta e nove votos; Ana Lucia Guimarães Silva, cento e quarenta e oito votos; Maria Lúcia Dâmaso, cento e quarenta e quatro votos; Ana Maria Morais da Silva, cento e quarenta e dois votos; Maria Lisboa Macedo, cento e vinte e seis votos; Lazaro Idino Bagliano, noventa e três votos, ficando como suplentes em Minas Gerais: Maria Geralda Vitor, setenta e um votos; Fernando Eustáquio Caldeira, cinquenta e seis votos; Paulo Roberto dos Reis, treze votos; Deise Lucia Gusmão da Rocha Dalben, dez votos; sendo em branco o total de duzentos e noventa e oito votos;

Mato Grosso: Benedito Cerqueira Seba, quinze votos;

Mato Grosso do Sul: não houve candidatos;

Pará: Albenize Gatto Cerqueira, dezessete votos; Marluce do Socorro da Silva Soares, quinze votos; e em branco, quatro votos;

Paraíba: José Avelino da Silva Neto, quarenta e sete votos; Lucimar Ramos de Lima Ramalho, trinta e um votos; Evando Ricardo da Silva, vinte e nove votos; ficando como suplentes na Paraíba: Alcir Morais de Lucena, vinte e seis votos; Severino Felipe da Silva, quinze votos; Ivonete Maria Macêdo Campelo, quinze votos; Antonio Costa Filho, onze votos; sendo em branco o total de doze votos;

Pernambuco: Luiz Mendes Bezerra, cinquenta e oito votos; Antonio Gomes Campelo, cinquenta votos; José Tibúrcio Tabosa, quarenta e nove votos; Paulo Correia de Melo, quarenta e seis votos; ficando como suplentes em Pernambuco: Jones Trajano de Melo, trinta e sete votos; e Joel Sarruá Rodrigues, quatro votos; sendo em branco o total de dezesseis votos;

Piauí: Marconi de Oliveira Holanda, oito votos; Singefredo Neto Gondim, seis votos; ficando como suplente no Piauí: Osmar Escorcio de Carvalho, dois votos;

Paraná: Márcio Humberto Gheller, quarenta e nove votos; João Eudes da Silva, trinta e nove votos; Paulo Radtke, trinta e oito votos; Carlos Alberto Barbosa, trinta e sete votos; sendo em branco o total de cento e sete votos;

Rio de Janeiro: José Arinaldo Gonçalves Ferreira, oitenta e nove votos; Aniceto Martins, oitenta e sete votos; Marcilio Henrique Ferreira, setenta e dois votos; Marcia Irene Cancio de Mello Werneck, setenta votos; sendo em branco o total de trezentos e quarenta e dois votos;

Rio Grande do Norte: Maria Aparecida Fernandes Paes Leme, trinta votos; Maria Alba de Carvalho, vinte e nove votos; Amauri Soares de Souza, vinte e oito votos; sendo em branco o total de trinta votos;

Rondônia: não houve votos computados em Rondônia, não havendo eleitos;

Roraima: Roberto Paulo da Silva Santos, um voto;

Rio Grande do Sul: Dulce Wilennbring de Lima, cem votos; Vilson Antonio Romero, noventa e nove votos; Luiz Carlos Correa Braga, noventa e dois votos; Nereu Alberto Finck Capeletti, oitenta e oito votos; Vladimir Soares Aquino, oitenta e seis votos; sendo em branco o total de cento e setenta e cinco votos;

Santa Catarina: Floriano José Martins, oitenta e quatro votos; Luíz Spricigo, setenta e seis votos; Luiz Carlos Aguiar da Silva, sessenta e quatro votos, José Augusto Baasch Luz, sessenta votos; e Airton Nagel Zanghelini, cinquenta e nove votos; ficando como suplentes em Santa Catarina: Gilberto Lazzarotto de Oliveira, quarenta e dois votos; e José Carlos Nogueira Ribeiro, trinta e seis votos; sendo em branco o total de trinta e nove votos;

Sergipe: Jorge Cezar Costa, dez votos; e Antonio Roza Neto, associado à ANFIP em 01/01/1982, cinco votos; ficando como suplente, no desempate, em Sergipe: Gladston Ferreira dos Santos, associado em 08/03/1985, cinco votos; e

São Paulo: Ariovaldo Cirelo, cento e noventa e três votos; Assunta Bergamasco, cento e oitenta e sete votos; Maria Beatriz Fernandes Branco, cento e setenta e três votos; Margarida Lopes de Araújo, cento e sessenta e nove votos; Sandra Tereza Paiva Miranda, cento e sessenta e sete votos; Dirce Leme Claro de Menezes, cento e cinquenta e sete votos; e Marinalva Azevedo dos Santos Braghini cento e doze votos; ficando como suplentes em São Paulo: Jamile Jabra Malke, cento e sete votos; Nilza Garutti cento e seis votos; Ana Maria Tomaselli Pacheco, setenta e cinco votos; Rose Ane Augusto Mariano, sessenta e dois votos; e Edna Cordeiro Rosa cinquenta e nove votos; sendo em branco o total de trezentos e setenta e nove votos e nulos, sete votos.

Tocantins: não houve candidatos.

Neste pleito, restaram não preenchidas dez vagas a convencional  por falta de candidatos inscritos, por desistência da candidatura antes da lacração da urna ou por falta de manifestação dos eleitores do próprio estado: uma vaga em cada um dos estados de Alagoas, Bahia, Paraná, Rondônia, Santa Catarina e Tocantins, duas vagas no Rio de Janeiro e duas no Mato Grosso do Sul.

Em atendimento ao art. 66 do Estatuto, poderão integrar as chapas candidatas ao Conselho Executivo ou concorrer como candidato individual ao Conselho Fiscal, os suplentes que obtiveram mais de dez por cento dos votos dos eleitores de sua Unidade da Federação: Alcir Moraes de Lucena, Ana Maria Tomaselli Pacheco, Antonio Costa Filho, Edna Cordeiro Rosa. Fernando Eustáquio Caldeira, Gilberto Lazzarotto de Oliveira, Gladston Ferreira dos Santos, Ivonete Maria Macêdo Campelo, Jamile Jabra Malke, Jones Trajano de Melo, José Carlos Nogueira Ribeiro, Maria Geralda Vitor, Nilza Garutti, Orlei Oliveira Guimarães, Osmar Escorcio de Carvalho, Rose Ane Augusto Mariano e Severino Felipe da Silva.

Confira AQUI o relatório extraído do sistema de votação.

A ANFIP rende suas homenagens aos cinco associados que, com idades entre 94 e 101 anos, quando muitos não mais se interessam por tecnologia, fizeram questão de registrar os votos virtuais em seus candidatos, valorizando, ainda mais, suas inserções no Processo Democrático de escolha de seus representantes na ANFIP.