Em culto ecumênico, Conselho Executivo avalia gestão da ANFIP

152

Finda a gestão que reuniu conselheiros no mandato mais longo da história da ANFIP (agosto de 2019 a dezembro de 2021), o Conselho Executivo, em meio ao Culto Ecumênico que marcou, nesta terça-feira (30/11), a programação de fim de ano da Entidade, avalia o período em que “União e Trabalho” deixaram suas marcas reais no dia a dia da Associação, trazendo à tona, junto a uma crise sanitária sem precedentes, a janela de oportunidade para o avanço e o desenvolvimento de novas formas de atuação.

Durante o período, a ANFIP sempre esteve à frente, utilizando os mais modernos modos de conexão, para compartilhar informações e participar de ações tanto sobre questões de interesse dos Auditores Fiscais da Receita Federal, quanto em benefício da sociedade em geral.

Em clima de despedida e emoção, na ocasião foram realizados discursos de homenagem aos conselheiros e colaboradores que trabalharam juntos pelo sucesso da Entidade. Confira a mensagem de agraciamento proferida em nome do Conselho Executivo:

“Foi uma gestão diferente, diferenciada de todas aquelas que já existiram. De repente, um misterioso e desconhecido vírus passou a assombrar o mundo, e por conseguinte o Brasil, modificando completamente a nossa forma tradicional de atuação, exigindo da ANFIP e dos seus dirigentes, ações rápidas, eficientes, que se adaptassem a uma nova realidade, entre as quais, a necessária implantação de um novo sistema de trabalho, alternando atividades presenciais e em home office.

A necessidade da revisão do atual parque tecnológico e a aceleração do processo de modernização e informatização da ANFIP, passaram a ser prioridades absolutas, com vistas a possibilitar-nos uma forma alternativa de gestão, com um olhar diferente, moderno, e um novo enfoque de comunicação, com os nossos associados. Estávamos diante de um momento único, complexo e desafiador, e todos nós sabíamos disso.

Cônscios do nosso dever e da imensa responsabilidade assumida, éramos sabedores de que momentos difíceis, como este, ensejam sempre uma grande oportunidade de mudanças.

Com tantas dificuldades, era de se presumir que tivéssemos uma gestão conflituosa, em que imperasse a desarmonia, mas, para nossa satisfação e grande alegria, sob o comando do habilidoso e conciliador Presidente Décio, e a colaboração inestimável de todos os conselheiros e funcionários, numa ação irmanada, de forma uníssona, todos responderam ao grande chamamento e ao enorme desafio, com muita criatividade, perspicácia e inovação, o que possibilitou a ANFIP superar, com galhardia e muita competência, toda a sorte de dificuldades que nos foram impostas por este terrível vírus.

Trabalhamos respeitando as disposições estatutárias, regimentais e demais normas e procedimentos que regem a ANFIP, e em consonância com os Conselhos Fiscal e de Representantes. Não poderíamos deixar de registrar a nossa gratidão, também, a todos os ex-presidentes e aos demais dirigentes da ANFIP, de todas as épocas, que com seus brilhos próprios, competências e talentos, muitas vezes com sacrifícios pessoais e prejuízo da convivência familiar diária, doaram-se, sem medidas, na construção do projeto de solidificação de nossa Associação Nacional, honrando, dignificando e perpetuando o seu respeitado nome, durante estes 71 anos de existência, para que , hoje, tivéssemos esta grandiosa instituição – chamada ANFIP, motivo de orgulho para todos nós.

Gostaríamos, ainda, de aproveitar este momento, em que estamos aqui reunidos, celebrando a vida e comemorando a finalização de uma difícil, mas muito bem sucedida gestão, para dizer aos meus nobres colegas conselheiros e assessores, em alto e bom tom, da minha enorme satisfação e alegria, em ter participado da formação deste Conselho Executivo, que reputo criativo, comprometido e muito competente, ombreado, com cada um de vocês, as decisões que nos permitiram fazer desta gestão da ANFIP, uma gestão moderna, eficiente, saneadora e inovadora, que  possibilitou-nos chegarmos ao seu término, com uma enorme sensação do dever cumprido, num ambiente de muita união, congraçamento e extrema harmonia.

Finalmente, dizer ao presidente Décio, da honra e da alegria de termos trabalhado sob o seu comando, estes 2 anos e meio, aprendido muito com a sua forma de atuação: educada, humilde, habilidosa, democrática e respeitosa, no melhor estilo mineiro, na qual soube aglutinar forças e extrair de cada um de nós, as melhores qualidades, respeitando as nossas individualidades e deficiências.

Por certo, a ANFIP ainda enfrentará muitos desafios em sua gloriosa história de lutas, mas com o empenho e a determinação dos nossos abnegados dirigentes, o auxílio dos nossos dedicados funcionários e o entusiasmo do nosso corpo associativo, haveremos de superá-los, um a um, com a mesma competência e brilhantismo que sempre constituíram marcas indeléveis desta pujante e vitoriosa Associação.

Concluímos, dizendo, que a ANFIP encerra mais um capítulo de sua história como uma entidade sólida, eficiente e que tem na prestação de serviços aos seus associados o seu principal objetivo, o seu grande compromisso e a sua mais nobre missão.

Já dizia Albert Einstein:

“Deus não escolhe os capacitados, capacita os escolhidos.

Fazer ou não fazer algo, só depende de nossa vontade e determinação.”

Vida longa à ANFIP!!!