XXVIII CN: Sessão solene marca a abertura oficial do evento

210

A sessão solene de abertura da XXVIII Convenção Nacional aconteceu na tarde desta segunda-feira (8/11) e reuniu associados e representantes para mais um grande momento de discussão do futuro da ANFIP.  A solenidade, que pela primeira vez na história da Entidade ocorreu de forma virtual, contou ainda com apresentação emocionante do Hino Nacional e do Hino da ANFIP, entoados pela cantora Célia Rabelo.

Integraram a mesa de abertura o presidente da ANFIP, Décio Bruno Lopes; o coordenador do Conselho de Representantes, Genésio Denardi; a coordenadora do Conselho Fiscal, Assunta Di Dea Bergamasco; a diretora da Fundação ANFIP de Estudos Tributários e da Seguridade Social, Margarida Lopes de Araújo. O evento também contou com a participação especial do subsecretário de Fiscalização da Receita Federal do Brasil (RFB), Jonathan José Formiga de Oliveira.

O aproveitamento da tecnologia para a reinvenção das relações e adaptação aos efeitos da pandemia esteve presente em todos os discursos na cerimônia de abertura. O coordenador do Conselho de Representantes, Genésio Denardi, afirmou que a inventividade humana nunca esteve tão liberta. “As reuniões não foram adiadas, arrumaram nova forma de desenvolvê-las, a ciência caminha apressada rumo ao progresso e a ANFIP não poderia estar ausente nesse momento de mudanças. No momento atípico que estamos vivendo, para participar dessa Convenção de maneira remota foi preciso nos reinventarmos. Como coordenador, quero agradecer aos colegas dos três conselhos, que participaram forma integrada das reuniões realizadas para a tomada de decisões conjuntas, em que a tônica sempre foram os interesses da ANFIP”, disse.

Assunta Di Dea Bergamasco, coordenadora do Conselho Fiscal, compartilhou a satisfação que é participar de mais uma Convenção Nacional ao lado de tantos colegas e companheiros de trabalho: “Isso revela o quanto nós devemos à ANFIP no aprendizado da trajetória associativa e na defesa dos nossos interesses e de nossos associados, bem como de toda a categoria”. Em nome dos integrantes do Conselho Fiscal, incluindo titulares e suplentes, a coordenadora destacou o papel e o desempenho do Conselho durante a gestão, e se mostrou satisfeita com os resultados conquistados em conjunto com os demais Conselhos. “Agradecemos a oportunidade de ter contribuído para o desenvolvimento da nossa Entidade, com respeito, transparência, ética, isenção e, acima de tudo, confiabilidade, que é o que todo órgão de fiscalização deve ter”, concluiu.

Margarida Lopes de Araújo, presidente da Fundação ANFIP, agradeceu ao Conselho Curador os esforços envidados para auxiliar a Fundação na apresentação de trabalhos técnicos e estudos nas áreas tributária e previdenciária. A presidente aproveitou ainda para parabenizar a atuação dos conselhos e lamentou as perdas ocasionadas pela pandemia. “Hoje, ouvindo sobre os trabalhos que foram feitos nessa gestão, fiquei impressionada de ver que muito foi feito para apresentar trabalhos importantes para nossos associados. A ANFIP segue sempre firme, correta e apresentando um bom trabalho com muita força, luta e sucesso. Somos uma grande família e não vamos deixar de ser apesar da distância”, completou.

Na ocasião, Jonathan José Formiga de Oliveira, subsecretário de Fiscalização da RFB, falou sobre a atuação da entidade ao longo dos anos. “A ANFIP é uma entidade muito forte e exerce papel fundamental, não apenas nos interesses de seus associados, mas da nossa querida Receita Federal. Nós queremos um futuro melhor, e é fundamental para a sociedade quando uma entidade, com o peso e o prestígio que tem a ANFIP, se manifesta a respeito de um tema tributário ou de gestão pública. Isso está exercendo sim uma espécie de cidadania”, frisou.

Décio Bruno Lopes, presidente da ANFIP, destacou em seu discurso a capacidade de adaptação da Entidade, que, mesmo com os desafios ocasionados pela pandemia, cumpriu com excelência seus objetivos. “Tudo que fizemos é fruto do trabalho árduo de nossos colaboradores e da união intransigente dos conselhos que fizeram com que a entidade chegasse ao final desse mandato, o mais esticado da ANFIP, e permitiram que realizássemos essa Convenção”, declarou.

O presidente da ANFIP também criticou a falta de valorização dos servidores, que são essenciais para o funcionamento do Estado brasileiro, e reafirmou o compromisso da Entidade de trabalhar continuamente para informar a sociedade acerca da importância do serviço público.

A XXVIII Convenção Nacional continua nesta terça-feira (9/11). A programação completa pode ser conferida aqui.