ANFIP critica corte no orçamento do INSS

275

No Dia do Aposentado, Bolsonaro anuncia corte de quase R$ 1 bilhão no INSS

O presidente Jair Bolsonaro (PL) vetou R$ 988,03 milhões em recursos que estavam destinados ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). A decisão, tomada na última sexta (21), foi publicada nesta segunda (24) no Diário Oficial da União. Celebra-se, nesta data, não apenas o Dia Nacional do Aposentado, mas também o 99º aniversário da Previdência Social no Brasil.

O Ministério do Trabalho e Previdência, chefiado por Onyx Lorenzoni, pasta à qual o INSS está vinculado, sofreu o maior corte entre todas, com cerca de R$ 1 bilhão. Outras áreas, como a fiscalização trabalhista, também sofreram vetos.

O Congresso Nacional havia aprovado R$ 1,337 bilhão à “administração da unidade”, que inclui a manutenção das unidades e gerências do INSS, responsáveis pelo atendimento a aposentados e pensionistas. Bolsonaro cortou R$ 709,84 milhões, restando R$ 628,06 milhões – número que é menor do que a proposta orçamentária original do governo de R$ 736,54 milhões.

Além disso, o presidente cancelou os aumentos aprovados pelos parlamentares para outras ações do INSS, retornando aos valores que seu governo havia inicialmente proposto.

O Congresso aprovou R$ 608,75 milhões para o “serviço de processamento de dados de benefícios previdenciários”, mas Bolsonaro reduziu o montante para R$ 428,1 milhões. “Melhoria na gestão do INSS” foi de R$ 247,14 milhões para R$ 153 milhões. E “reconhecimento de direitos previdenciários” passou de R$ 50 milhões para R$ 46,6 milhões.

A coluna ouviu fontes no próprio governo que afirmaram que o INSS não será capaz de tocar a sua máquina com esse valor aprovado, uma vez que o custeio das agências é grande, ainda mais com a necessidade de reduzir a fila de espera. Com isso, deve passar o ano implorando por suplementação orçamentária.

De acordo com Vilson Antonio Romero, presidente da Associação Nacional dos Auditores da Receita Federal (Anfip), que também representa os auditores do INSS, o corte levará a uma piora no serviço fornecido à população.

“Todo e qualquer corte no orçamento, que já é enxuto, prejudica. Vamos ter uma maior demora para os trabalhadores da cidade e do campo em perícias médicas, em análises de pedidos de aposentadoria, no atendimento que já foi agravado pela pandemia”, avaliou à coluna.

Fila do INSS tinha mais de 1,8 milhão para conseguir um benefício

O governo Jair Bolsonaro vem enfrentando críticas sobre a demora para o reconhecimento e o pagamento de benefícios. A fila chegou a 2,3 milhões de requerimentos no final de 2019.

Em novembro do ano passado, Leonardo Rolim foi substituído na presidência do órgão por José Carlos Oliveira, que apresentou um plano para zerar a fila em 2022. Para tanto, elencou a modernização dos sistemas digitais do órgão como um dos pontos principais.

Servidores afirmam, contudo, que a automação de processos não exime a necessidade de mão de obra especializada. A falta de novos concursos que preencham as vagas de servidores e auditores que se aposentam é apontada como uma das causas da morosidade.

“No final do ano, havia uma fila de 1,8 milhão que aguardavam solução, dos quais cerca de 500 mil são de BPC [o Benefício de Prestação Continuada, garantido aos idosos em extrema pobreza e pessoas com deficiência]. E na medida que você começa a enxugar o orçamento e não recompõe o quadro de pessoal, ocorre um descalabro”, afirma Romero.

“Que presente a Previdência Social ganhou em seu aniversário”, ironiza o presidente da Anfip.

Em tempo: A Lei Eloy Chaves, publicada em 24 de janeiro de 1923, é considerada a origem da Previdência Social no Brasil. Ela obrigou as companhias ferroviárias a recolher contribuições de patrões e empregados para o pagamento de aposentadorias e pensões. A partir daí, desenrolou-se o sistema que temos hoje.

Fonte: UOL Notícias