ANFIP orienta sobre isenção do IR na pensão alimentícia

743

Para esclarecer todas as dúvidas acerca da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que isenta de Imposto de Renda as pensões alimentícias, a ANFIP realizou nesta terça-feira (18/10) mais uma edição do programa ANFIP Conectada. A principal novidade é que, além da isenção, aqueles que pagaram imposto nos últimos cinco anos também têm direito à restituição dos valores. O Auditor Fiscal aposentado Leônidas Quaresma e o advogado Felipe Vieira apresentaram os procedimentos que devem ser adotados.

Felipe Vieira informou que a decisão do Supremo em relação à Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5422 é definitiva. Segundo ele, o STF reconheceu que o recebimento não é caracterizado como aumento de patrimônio e o valor já é tributado no Imposto de Renda daquele que recebeu os seus proventos e cumpriu sua obrigação de alimentar.

Como receber a restituição – Segundo Leônidas Quaresma, o contribuinte deve retificar a declaração para cada exercício de recolhimento através do programa gerador da declaração ou pelo Centro Virtual de Atendimento da Receita Federal (e-CAC). É necessário repetir os valores que constaram na declaração original e colocá-los no campo “rendimentos isentos e não tributáveis”. Para obter o código de acesso, o beneficiário precisará do CPF, data de nascimento e do número do recibo de entrega das duas últimas declarações.

Após esta etapa, o contribuinte pode se enquadrar em dois cenários. No primeiro, pode ter direito a uma restituição maior do que a que recebeu na declaração original. Neste caso, o valor excedente será disponibilizado diretamente na conta bancária, conforme cronograma de lotes da Receita Federal. No segundo, o que pagou o imposto também terá o valor reembolsado, porém é preciso efetuar um pedido eletrônico de restituição para cada ano por meio do programa PER/DCOMP (acesse aqui).

Benefícios da retificação – A mudança também é benéfica para o declarante que não inseriu um dependente que tenha recebido rendimentos de pensão alimentícia. O contribuinte poderá incluí-lo, assim como as despesas relacionadas a ele. Mas, neste caso, o dependente não poderá ter feito sua própria declaração.

Possibilidade de judicialização – Felipe Vieira informou ainda que em alguns casos vale a pena a utilização de medidas judiciais na busca de ressarcimento dos valores pagos. Segundo ele, a ação judicial retroage os valores com correções monetárias legais desde a data do pagamento.

A transmissão completa está disponível na TV ANFIP, assista aqui.