Fundação ANFIP fala sobre futuro imprevisível em debate sobre a Previdência

186

A audiência pública da Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado Federal desta quinta-feira (29/8) contou com a participação da presidente da Fundação ANFIP, Aurora Maria Miranda Borges. O foco do debate foi a “Previdência que queremos”. O assessor de Estudos Socioeconômicos da ANFIP, Vilson Antonio Romero, também esteve presente.

O encontro abriu espaço para discutir a real necessidade da PEC paralela e as ilegalidades e inconstitucionalidades contidas no documento da PEC 6/2019. Aurora Borges falou da realidade do Brasil e compartilhou sua angústia ao observar que o governo não tem visto o país em toda a sua amplitude, deixando de lado a construção de um projeto de Previdência pública, sustentável e que valorize a qualidade de vida de todos os trabalhadores. “Ao contrário das expectativas da população em relação às reformas, a PEC 6/2019 não gera renda, empregos, nem tira privilégios, demonstrando uma perspectiva de futuro instável e imprevisível para a sociedade e para o país”, concluiu a ‘mesa’.

O representante da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, Alessandro Roosevelt, mostrou outra ótica sobre a reforma e justificou parte do projeto com a afirmação de que a maior despesa do governo, hoje, é a Previdência, e que, portanto, é o setor que mais deve ser modificado. A informação foi rebatida pela senadora Zenaide Maia (Pros/RN), que citou dados do IBGE para afirmar que a maior parte do capital do Brasil, na verdade, é gasto com juros e dívidas externas, e que a verdadeira demanda do país está em uma reforma tributária, ao invés da previdenciária.

O presidente da Comissão, senador Paulo Paim (PT/RS), se comprometeu a manter o debate ativo e aberto enquanto for possível e sempre com a presença de representantes do Governo para contrapor ideias, inteirar a mesa e proporcionar discussões justas e efetivas.

A CDH volta a se reunir nesta sexta-feira (30/8) para debater o relatório preliminar da reforma da Previdência. O assessor Vilson Antonio Romero é um dos convidados da audiência, que será transmitida ao vivo, a partir das 9 horas, pelo portal e-Cidadania.