ANFIP participa de ato virtual contra a Reforma Administrativa

150

O presidente da ANFIP, Décio Bruno Lopes, participou na noite desta quarta-feira (9/12) do ato online contra a Reforma Administrativa, promovido pela Frente Parlamentar Mista do Serviço Público em parceria com o Fórum Nacional das Entidades Sindicais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe).

O evento foi realizado no plenário da Câmara dos Deputados, com transmissão ao vivo pelo canal da Casa no Youtube, e contou com diversos representantes de entidades sindicais e parlamentares, entre eles os deputados integrantes da Frente: Bohn Gass (PT/RS), Erika Kokay (PT/DF), Paulo Ramos (PDT/RJ) e a coordenadora, Alice Portugal (PCdoB-BA). Também participaram reitores de universidades federais eleitos e não empossados.

“Não haverá nação se não houver serviço público de qualidade”, destacou Décio Lopes em sua fala. Segundo o presidente, a Reforma Administrativa (PEC 32/20) não garante a melhoria do serviço público, pois, na verdade, fragiliza as relações de trabalho ao instituir a multiplicidade de vínculos. Para ele, a estabilidade do servidor representa a garantia na prestação de serviços, pois o servidor, ao ter uma relação de trabalho segura, não fica à mercê das vontades dos dirigentes do governo. Alertou ainda que o formato de contratação temporária e a criação de cargos de confiança burlam ao concurso público e abrem espaço para o apadrinhamento político.

 “A sociedade precisa discutir o assunto, pois acaba por ficar com a impressão de que o servidor público é alguém que está acomodado e faz o que quer sem se preocupar com o serviço público, mas não é assim”, frisou Décio Lopes, que também reafirmou o compromisso da ANFIP em defesa de um serviço público de qualidade.

O presidente destacou que este momento de pandemia não é o melhor para promover alterações no texto constitucional, fragilizando o Estado e a prestação de serviços. “A guerra não deve ser de informações, mas de condições que possibilitem mais recursos, injetando dinheiro na economia e gerando empregos para que saiamos dessa crise”, destacou. Explicou ainda que a reforma necessária deve ser aquela que combata a corrupção, a sonegação, o contrabando e o descaminho para que o Estado tenha recursos para satisfazer as necessidades da população.

O ato faz parte da Jornada de Lutas contra a Reforma Administrativa, em defesa do auxílio emergencial, da democracia e autonomia das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) que promoveu diversas atividades durante esta semana em prol das causas e finalizou o cronograma de ações com a exibição da peça teatral “A Reforma que Deforma”, na manhã desta quinta-feira (10/12), em frente ao Congresso Nacional.

Confira a transmissão completa aqui.