ANFIP apresenta demandas de associados à equipe do Decipex

362

A ANFIP deu nesta sexta-feira (27/11) o primeiro passo para tornar os sistemas do Departamento de Centralização de Serviços de Inativos, Pensionistas e Órgãos Extintos – Decipex mais amigáveis aos usuários, que são os associados da entidade. Em reunião com o diretor do Departamento, Marco Aurélio Alves da Cruz, e com os assessores Anderson Caires e Daniela Nunes, foram apresentadas várias dificuldades relatadas pelos associados e solicitada medidas para minimizar os impactos das mudanças relacionadas à centralização do atendimento e prestação de serviços.

“Existe um clamor dos associados em relação à dificuldade de se obter informações quanto aos encaminhamentos e pedidos”, disse Décio Lopes ao justificar o pedido da reunião com o Departamento. O presidente colocou a Entidade à disposição para colaborar com o que for preciso para orientar os usuários sobre a melhor forma de utilização dos sistemas.

As vice-presidentes Tereza Liduína Santiago Félix (Aposentadorias e Pensões) e Maria Beatriz Fernandes Branco (Assuntos Jurídicos), que também participaram da reunião, apresentaram questões pontuais de associados e, ainda que reconheçam a importância da informatização, entendem que algumas mudanças podem demorar um pouco para serem compreendidas. “Reconhecemos a importância da informatização, mas nos deparamos com a dificuldade de alguns associados. Enquanto isso, gostaríamos de colaborar no sentido de fortalecer essas novas medidas. Elas serão importantes para a gestão”, frisou Tereza Liduína.

Maria Beatriz enumerou ainda outras questões relatadas por associados, como a omissão do reembolso para aqueles que têm plano de saúde privado, a demora para o atendimento dos pedidos de pensão e o não atendimento de requisição da isenção do imposto de renda no caso de moléstia grave. “Mudança é uma coisa difícil. Mas precisamos nos adequar. Demora, mas conseguimos. Temos que contornar esses problemas”, frisou.

Marco Cruz solicitou que todas as demandas recebidas pela Associação sejam encaminhadas para a equipe do Decipex, que fará a análise dos casos. Muitas questões abordadas, segundo o diretor, já são de conhecimento da unidade e estão sendo trabalhadas. O diretor explicou que o Departamento já centralizou 170 mil vidas e a expectativa é que este número chegue a 450 mil. “Um público desse tamanho, a gente precisa estar preparado para trabalhar com diversos canais de forma simplificada, entendendo que a questão digital é diferente para cada pessoa”, ressaltou. Ele agradeceu a iniciativa da ANFIP de levar diferentes percepções dos usuários. “A gente quer saber quais são essas dificuldades para que a gente melhore. Temos uma equipe engajada que realmente quer prestar um bom serviço público”, garantiu.  Marco Cruz sugeriu ainda que seja feito um trabalho conjunto, com a ANFIP atuando como replicadora de informações, apoiando tanto o Decipex quanto os aposentados e pensionistas.

Neste sentido, o presidente da ANFIP solicitou uma nova reunião, desta vez com os representantes das Estaduais, para que o Decipex leve informações necessárias para que as dúvidas dos associados, em seus estados, possam ser resolvidas. Também ficou acertada uma conversa mais técnica para que a ANFIP possa replicar aos associados os materiais informativos do Departamento.