ANFIP e Frente aprovam trabalho regional de mobilização 

137

Em continuidade aos trabalhos realizados na última semana (confira aqui), a Frente Parlamentar Mista do Serviço Público voltou a se reunir na tarde desta segunda-feira (25/5) para apresentação de demandas e de novos encaminhamentos em defesa do servidor público. O presidente da ANFIP, Décio Bruno Lopes, e o vice-presidente de Política de Classe e Política Salarial da Entidade, José Arinaldo Gonçalves Ferreira, participaram da teleconferência, que foi conduzida pelo assessor de Estudos Socioeconômicos da ANFIP, Vilson Antonio Romero.

Representantes das carreiras que compõem a Frente Parlamentar debateram como principais pontos: a Medida Provisória 966/20, que responsabiliza agentes públicos em atos durante a crise sanitária oriunda da Covid-19 mesmo com as ressalvas do Supremo Tribunal Federal (STF); o Projeto de Lei Complementar 39/20, que trata do socorro emergencial aos entes federados, porém, congela os salários dos servidores públicos pelos próximos anos; a promoção de atividades com foco nacional em defesa do servidor e do serviço público na próxima quarta-feira (27/5); e as expectativas do fim do trabalho remoto com garantia de segurança ao funcionalismo.

Além disso, os participantes apresentaram os pontos de vista das associações, sindicatos, federações, confederações e centrais frente ao vídeo da reunião ministerial divulgado na última sexta-feira (22/5) com autorização do ministro do STF, Celso de Mello.

O presidente da ANFIP, Décio Lopes, reforçou a união das entidades perante ao cenário de instabilidade. “Se a gente não se unir, a gente vai se desconfigurar. Esse nosso trabalho sendo realizado também nos estados com apoio das federações e das confederações será muito valioso. Podem contar com o suporte das regionais da ANFIP na participação de eventos programados”. Já o vice-presidente José Arinaldo apontou que “o funcionalismo tem suas armas para enfrentar o inimigo”.

Após os debates, Romero falou sobre a importância de as entidades permanecerem trabalhando com foco nos parlamentares. “Não podemos esquecer que a nossa unidade vai fazer a diferença nas conquistas. Sugiro também que na próxima reunião uma comissão formada pelas categorias apresente os resultados e os pontos principais do período home office para debatermos os cenários. Precisamos também continuar os trabalhos nas redes sociais com cards em apoio ou não aos projetos que tramitam no Congresso Nacional”, deliberou o assessor.