ANFIP debate impacto da reforma previdenciária para as mulheres

185

O presidente da ANFIP, Floriano Martins de Sá Neto, participou nesta terça-feira (26/3) do debate “Desmonte da Previdência: ruim para todos, pior para as mulheres”, promovido em Brasília pela União Brasileira das Mulheres (UBM), junto à Confederação das Mulheres do Brasil e da Federação de Mulheres do Distrito Federal e Entorno.

Sá Neto ressaltou que a Seguridade Social é um direito garantido na Constituição Federal de 1988. “Não podemos abrir mão da nossa proteção social, duramente conquistada”. Ele lembra que, com a reforma, todos perderão. “Diferente das outas reformas, essa é ainda pior, mais profunda, pois vai liquidar com a Previdência Social”, alertou.

Na proposta de reforma do governo (PEC 6/19), as trabalhadoras e os trabalhadores, urbanos e rurais, e os servidores públicos, em maior ou menor grau, terão mais dificuldade em se aposentar, terão que contribuir por mais tempo, recolher contribuições maiores e receber benefícios menores. “A PEC é uma ameaça à luta das mulheres por equidade de gênero e amplia as desigualdades, além de dificultar o acesso delas aos benefícios previdenciários”, lamenta o presidente da ANFIP.

Para entender melhor os impactos da reforma da Previdência, leia o documento: PEC 06/2019 – as mulheres, outra vez, na mira da reforma da Previdência, disponível no hotsite da ANFIP, com conteúdo exclusivo sobre a reforma previdenciária.

O evento também contou com palestra da coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida, a Auditora Fiscal Maria Lucia Fattorelli, além de exposições de lideranças sindicais e de movimentos de mulheres, e participação de trabalhadoras e trabalhadores, urbanos e ruais.