ANFIP reafirma posição contra legalização dos jogos de azar

263

A regulamentação dos jogos de azar no país pode voltar à pauta do Congresso Nacional em 2020 através de dois projetos de lei, o PL 442/91, na Câmara dos Deputados, e o PLS 186/2014, no Senado Federal, prontos para votação em plenário de ambas as Casas. Com isso, a ANFIP e a Organização Não-Governamental (ONG) Brasil Sem Azar reafirmaram, durante reunião na sede da ANFIP, na manhã desta quarta-feira (15/01) a parceria contra a aprovação dos projetos.

A ANFIP sempre teve uma posição muito clara contrária à instalação de cassinos e bingos no Brasil pelos efeitos deletérios resultantes desta atividade como o incentivo à corrupção, à prostituição, ao tráfico de drogas, à lavagem de dinheiro e à ludopatia, todos com alto custo social, não compensados pela prometida arrecadação tributária e empregabilidade de uma eventual legalização do setor.

As entidades definiram ações estratégicas no intuito de disseminar nos estados e com os parlamentares os prejuízos socioeconômicos que os jogos causam, bem como relançar a Frente Parlamentar Mista contra os Jogos de Azar, logo no retorno do recesso parlamentar.

Representando a ANFIP, participaram do encontro a vice-presidente de Assuntos Jurídicos, Maria Beatriz Fernandes Branco e o assessor de Estudos Socioeconômicos, Vilson Antonio Romero. Pela Ong Brasil Sem Azar compareceram o coordenador nacional, Roberto Lasserre, e o jornalista Marcio Linhares.